7 de mai de 2012

OBRIGATORIEDADE DO EXAME DE CW

Olá amigos.

Sempre que surge o assunto do término da prova de CW para ingresso ou promoção de classe, os adeptos da modalidade saem em defesa da sua manutenção, com argumentos em geral pejorativos (brincando ou não) relacionados aos não praticantes de CW.

Se a prática de CW é tão boa não há necessidade de ser obrigatório nos exames, nem desmerecer quem não pratica, pois naturalmente as pessoas deveriam se interessar em utilizar o CW justamente pelas suas vantagens, e não pela obrigatoriedade.

Obrigar saber CW para ser promovido de Classe denota a falta de argumentos sólidos e lógicos dos praticantes da modalidade para "convencer" os colegas, pois se possui tantas vantagens sobre outras modalidades o interesse deveria ser natural e elevado.

Quais problemas surgiram para o Radioamadorismo em países que aboliram a obrigatoriedade dos exames de CW? Nenhum!

Para os praticantes de CW quais problemas surgiriam na utilização das frequências a eles destinadas com a supressão da obrigatoriedade do exame de CW ? Nenhum!

Se ocorrer um aumento significativo de radioamadores eles utilizariam justamente as frequências reservadas a fonia, e com o decorrer do tempo também não acarretaria nenhum problema, pois quem lá chegasse com o intuito de "bagunçar", se auto eliminaria naturalmente por não encontrar ressonância nas suas intenções.

Os praticantes de CW estão equivocados em sua obrigatoriedade para promoção de Classe, como se tal fato estivesse aumentando significativamente o número de praticantes após prestarem o exame.

Acredito justamente no contrário, por ser obrigado a aprender, a maioria após aprovação não se interessa em continuar praticando.

O que levará a aumentar os interessados em CW é justamente a criação e manutenção permanente de cursos virtuais ou não,  demonstrando suas vantagens, e aí sim consegui rão uma participação voluntária muito maior.

Praticar CW não me torna um radioamador melhor ou pior que ninguém. Simplesmente não me interessa.

O radioamadorismo atual envolve outras modalidades e conceitos, e o CW deve ser integrado nos exames ao conhecimento básico por exemplo de modos digitais, respeito e educação no contato com colegas nas faixas, etc, etc, etc.

Um abraço para todos.

Rony, PS7AB

Saudações;

Rafael Alves.'.
Radioamador: Alves PP2RR
SITES: www.pp2rr.com.br 
          www.obreirosdocerrado.org.br 
          www.grupoescoteiro.com.br
          www.radioweb.bocalivre.org

"Nossos ideais de transformar os meninos em bons cidadãos repercutem em benefício da própria Pátria, que contará com cidadãos dignos de confiança. Sua amizade e senso esportivo manterão o País unido internamente e em paz com os países vizinhos"

10 comentários:

PU4EDR disse...

Veterano, ao ler seu texto sobre o equívoco da obrigatoriedade de exames de CW para acesso à Classe B,sou tomado de um gande entusiasmo.
Desde a metade da década de 1980 cadastrei-me no antigo DENTEL como Rádio-Cidadão.Bons tempos aqueles, quando fazíamos DX em 11 metros, com troca de cartões de QSL e sem a QRM que se detecta atualmente na QRG. No entanto, colega, meu sonho era o Radioamadorismo, impossível para mim por causa do custo proibitivo de uma estação. Pensava que nunca conseguiria juntar uns QSJ para adquirir uma, mas em 2003 comprei um monstruoso TS-520 e prestei exames em Belo Horizonte. Consegui indicativo para a classe inicial, mas confesso que sempre tive atração pelos 40 metros. Por causa disso, enquanto pelejava sem sucesso para aprender CW,corujava os 40m.Em 2004, com um sacrifício que só Deus sabe, comprei um FT-450AT novo. Andei operando nas freqüências outorgadas, mas queria mesmo era os 40m (kekeke!!!). No entanto, por não ter "ouvido musical", nunca consegui aprender CW. Propuseram-me operar na faixinha, clandestinamente, arranjar um indicativo "via amizade", mas como nunca fui adepto do ilícito, resolvi desistir do radioamadorismo. Terminei me desfazendo de minha estação novinha e enterrando o sonho radioamadorístico. Pelo menos em parte, porque continuo pagando meus boletos da ANATEL e "corujando" páginas de radioamadorismo na internet, porque já não tenho rádio.
Colega, não sou contra o CW. Muito ao contrário, pois o CW é uma modalidade interessantíssima. Contudo, como bem diz Vossa Excelência, nõ faz sentido em plena era digital uma exigência tamanha. Radioamadorismo não é só CW e nem tampouco só fonia. Também é transmissão/recepção de imagens, troca de conhecimentos, companheirismo. Tomar o CW como filtro significa visão curta e falta de amor ao hobby, pois mujitos que têm potencial para serem excelentes radioamadores não entram ou abandonam o rádio por causa desse bloqueio. Muitos de nossos colegas veteranos, que estavam empacados na Classe B, foram beneficiados porque "deram um jeito" e aboliram a exigência para promoção à Classe A. A verdade é que muitos já não operavam em CW e já nem sabiam o que era isso. Então, para acabar com o "engarrafamento" da Classe B, extinguiram o CW para promoção à Classe A. Todavia, a Classe C está "engarrafada" e os veteranos que fazem lobby junto à ANATEL não abrem mão da tola exigência por um motivo até torpe. E o que resulta disso? Muitos colegas PU, como eu, abandonam o hobby, outros partem para a clandestinidade ou passam a operar somente em UHF/VHF. E nossas LABRE's perdem resursos com isso, pois sem sócios não há contribuição e sem contribuição há dificuldades. Muitas de nossas LABRE's não têm recursos nem para comprar material burocrático ou pagar impostos e taxas. Outras fecharam as portas. Veterano, perdão pela prolixidade, mas acho lamentável uma coisa dessas. Por último, faço minhas suas belas palavras, que precisam ter eco. 73's do Edison Sampaio (PU4EDR) p Patos de Minas (MG)

Anônimo disse...

Colegas, sem dúvida o CW não me torna mais ou menos radioamador que vcs porém mostra que me esforcei mais que vcs e consegui.
Minha historia não é diferende de uma grande maioria, aprendi CW por obrigação (senão não mudaria de Classe) só que depois de conseguir a classe tão desjada, comecei no CW por gosto e estou até hoje.
É justo eu ter me esforçado para conseguir a promoção e me equipararem a vcs que se acomodaram e acharam mais prático culpar o fato de "não ter ouvidos musicais ?
Não concordo, tem-se sempre que oferecer algo a mais para quem mais se esforça, se seus ouvidos não são aquilo que esperavam, só restam duas opções:
Tenham boa vontade e "ralem" para conseguir ou acostoumem-se em permanecer eternamente no máximo na B e nunca porderem frequentar QRGs de Classe A.
Desculpem-me assim como deram suas opiniões, essa é a minha.
Sou sim a favor da obrigatoriedade do CW e desde a Classe C.
PY2MI - Milton L. Cintra

Anônimo disse...

Bom dia Colegas,
Corroborando com o comentário anterior (PY2MI), gostaria de acrescentar mais uns detalhes:
- aprender CW não é fácil pra ninguém, não foi pra mim e pra muitos outros, o diferencial é que não ficamos pelo caminho, insistimos,
- o mínimo que é exigido por lei para a promoção da classe A (250 carc. por 5 min.) é ridiculo. Uma pessoa que é aprovada para a classe A e entrar direto para um QSO lá pelos 14 MHz, não vai conseguir contatar ninguém.
Portanto, deve-se sim prestigiar que conseguiu algo a mais para incentivar os que ainda não conseguiram. DEVE-SE SIM DISCRIMINAR AS CLASSES B e A COM PROIBIÇÕES EM DETERMINADAS QRGs PARA QUE TENTEM EVOLUIR.
Para mim o CW não deve acabar nunca e cada vez mais ser condição para promoção.
PT2MAR - Oscar Marinho

Anônimo disse...

Código Morse só é exigência em países como Índia, Paquistão, México, Grécia, Turquia, Europa Oriental e Oriente Médio, não sendo mais exigido ( e já há algum tempo ) nos Estados Unidos, Inglaterra, Europa Ocidental e Austrália. Nos Estados Unidos, todas as provas de promoção são escritas. Eu realmente não sei em que uma prova de Morse pode ajudar a diferenciar radioamadores em termos de habilidades técnicas, conforme reza a legislação, quando temos provas tão simplórias de eletricidade, legislação e ética. Eu endosso o fim da prova de Morse, pelo fato do CW ser modalidade, não fundamento, por ser contraditório exigir Morse e não exigir prova falada, já que fonia também é modalidade.
Pedro / PU2APX

Anônimo disse...

CARTA ABERTA AOS PUzinhos, ex-Zabumba-Zabumba, porque os PUzão antigos sabem, e muito bem, telegrafia.
Só é contra o CW quem não sabe CW. Nunca vi alguém que soubesse CW querer acabar com ele. Dá-se a mão querem o pé. Primeiro acabaram com o exame classe “A”. Agora, querem acabar com exame classe C. Essa ANATEL, que não sabe nada de radioamadorismo, extinguiu o exame para classe “A”, que era de 10PPM, e baixou muito a velocidade para 5 PPM para o ingresso dos classes "C". Nessa baixíssima velocidade, os caracteres perdem sua sonoridade e não é possível apreender e ir adiante com o CW. O mundo inteiro aprende a sonoridade dos sinais de CW entre 12 e 15 PPM. Ao invés de ficar aí teclando, com o nariz por cima da boca, esperando o CW acabar, digitem no Google “LCWO - Learn CW On line” e juntem-se aos quase 50 mil cadastrados no mundo. Qualquer um pode aprender CW. Basta querer e ser determinado. E o LCWO é um excelente site para isso, em várias línguas, inclusive português. Vamos lá PUzadas, ex- zabumbadas, vocês são capazes de apreender e entrar para verdadeiro radioamadorismo mundial, e não apenas sonhar em falar na faixa oficial dos 40 metros. Façam uma forcinha e, ao invés ficar ai teclando contra o fim do CW, cadastrem-se no LCWO e comecem hoje mesmo a apreender CW, juntamente com quase 50 mil outros pelo mundo afora. Não será o fim do CW e sim o recomeço dele, que já está sendo utilizado pelos cientistas na reabilitação humana. Será a JORNADA MUNDIAL do CW. Mas vocês, que ficam aí teclando, com o nariz por cima da boca, esperando o CW acabar, precisam entender que acabar com o exame de cw é mesmo que acabar com o radioamadorismo no Brasil a médio prazo. Sabem pq o BR é do 3° mundo? Pq não inventaram o 4°.

Anônimo disse...

Será que ninguem pensa o que se discute não é o fim do cw e sim a obrigatoriedade do cw como exame... entenderam? e como fica então vamos por como obrigatoriedade a informática no tocante as modalidades digitais, inclusive aplicando os testes para os senhores radioamadores de classe A e B atuais, como forma de reciclagem (isso já existe nas leis de transito - cursos de reciclagem, por ocasião da renovação). Ah mais ai não dá né... não precisa... eu ja cheguei lá mesmo que se exploda o resto. Gente é só uma questão de gostar ou não, quem gosta faz. Ou será que os classes A e B acompanham os telegrafistas profissionais em seus comunicados. Os "caras" tem mais de 40 anos de CW, ora bolas, sejam felizes e deixem os outros serem feliz também; porque só no Brasil? tem países que não é obrigatório já faz anos (primeiro mundo é claro). Dou uma ideia cria a classe A+ ou A* para os telegrafistas pronto. Todos seremos felizes, entenderam o recado?....
Paz e Bem a todos...

Anônimo disse...

Os Estados Unidos baniram o CW para radioamadores. Faz quem quer.

A Marinha do Brasil não usa mais CW a muito tempo. Mesmo em caso de panes graves, existem tecnologias mais eficientes e de baixo custo.

O que dizer de um radio amador, que aprendeu CW para ir para classe B ou "A" que sequer sabe montar uma antena, ou realizar uma simples solda.

Pois bem, boa parte dos PYs que conheço nunca abriram um rádio (não entendem nada de eletronica) e muito menos de telecomunicações.

Anônimo disse...

Que fique bem claro que ninguém quer acabar com o uso do cw e nem com as frequências destinadas a ele nas faixas de radioamador.
Usa quem quer?
São faixas para este uso específico.
E para que existem classes?
Todo radioamador deveria ser obrigado a conhecer apenas legislação.
Dividir o radio amador em classe é uma bobagem do tempo da ditadura, somos radio amadores e portanto todos iguais!!
Lembro do tempo em que eu poderia operar a longa distância tranquilamente nos 11 metros enquanto um classe C não podia operar nos 10 metros.
Se essa regra idiota já caiu, por que as outras não caem logo?

Anônimo disse...

Acho que é hora de aplicar o bom senso nesta questão! Sou radioamador reiniciante pois há cerca de 20 anos atrás obtive meu coer classe C e minha licença de faixa cidadão mais falei muito pouco no radio tanto nos 2 metros como na faixa cidadão. Atualmente me interessei pelo radioamadorismo e voltei a tirar minha licença de radioamador class C. Como eu vejo esta situação do CW. Não concordo com a obrigatoriedade do CW e não é porque não sou esforçado menos que os outros conforme o colega PY1MI MIlton Cintra falou até porque sendo eu médico formado pela faculdade de medicina que tem um dos vestibulares mais concorridos do país e tendo estudado 4 idiomas, tendo passado em 4 concursos públicos, sei muito bem que é com esforço que se conquista as coisas. agora eu pergunto para que esse esforço ? acho o CW muito interessante e pretendo estudá-lo, para mim vai ser uma "língua" a mais que vou aprender além do ingles, francês, espanhol, português. Acho que o cw é interessante o bastante para terem sempre radioamadores dispostos a aprendê-lo principalmente os DXistas pois vejo o CW como uma língua fundamental para o DX e o QRP. Só não vejo razão de impedir uma mudança de classe de uma pessoa por não saber cw e depois de passar na prova nunca mais se exigir proficiência nesta linguagem. Em uma época em que temos tantas ameaças a radiofrequência (é só ler um pouco sobre PLC e sobre a sua potencial interferência na radiofrequência) ainda tem gente que pretende se sentir superior a outro por ter passado em uma prova de CW.Acho que isso não é a função da ANATEL. Defendo o uso mais liberal de certas frequências em fonia e a não exigência de CW como um requisito para mudança de faixa, mas defendo uma vigilância maior na radiofrequência e defendo a união mior dos radioamadores para juntos lutarmos pelos nossos objetivos comuns ! 73's PU1PZX

Anônimo disse...

Prezados Amigos,
Maravilhoso alguém que sabe,pratica telegrafia e é radioamador classe A ou B mas a obrigatoriedade para se fazer fonia é absurda, assim como sou obrigado a parabenizar quem sabe braile mas não é cego,ou quem sabe a linguagem dos surdos mudos mas não é deficiente,da mesma forma devo elevar todo o meus respeitos aos saudosistas de plantão que aos poucos contribuem para a extinção do radioamadorismo ao propagarem a teoria do absurdo ao se exigir exame de cw em exames de promoção de classe,desta forma vai uma sugestão,"Promoção após permanência mínima de cinco anos mediante pedido". Grato.